quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

NORMALIDADE


Uma vez, num site de encontros deparei com o perfil de um individuo que se apresentava da seguinte forma: "Sou casado, vivo com a minha mulher e os meus filhos e procuro alguém que goste de mim como eu sou, que me ame de verdade e que eu possa amar." Isto deu-me que pensar e, na altura, até postei sobre o assunto num outro blogue, a respeito da normalidade.
Há dias, um amigo disse-me que anda farto de ser infeliz e que vai procurar a felicidade. Para tal vai procurar alguém que o ame e que ele possa amar. Perguntei-lhe se se ia divorciar, o que até não me espantaria. Respondeu-me que não. Divorciar-se? Nem pensar! A esposa é, sempre foi e sempre será a mulher da vida dele. Hum... interessante! Mais um que me põe a pensar sobre o conceito de normalidade.
Portanto, o que ele pretende é manter o estado de infelicidade com a mulher da vida dele e encontrar um estado de felicidade com a mulher da vida de outro. E quem sabe, encontrar-se consigo mesmo, ali num qualquer ponto intermédio entre os dois estados, se tempo lhe restar.
O que estas pessoas procuram não é a felicidade, é a mentira, porque uma só infelicidade não lhes basta.
"O normal é o que raramente encontramos. O normal é um ideal!"
.
"Deus, dá-me capacidade para entender estas pessoas, porque se me deres força, eu bato nelas."
.
I'm Outta Time - Oasis

Um comentário:

Mas afinal o que estou eu aqui a fazer?... disse...

A sinceridade desse amigo até dói!... Vai-se lá compreender... os homens!.......